Pessoal, eu vou para a Califórnia! – Luisfelipenascimento
03Jun
Coluna Dominical

Pessoal, eu vou para a Califórnia!

– 3 de junho de 2018

Luis Felipe Nascimento (*)

Em muitas profissões, as pessoas se aposentam logo depois de chegarem ao ponto mais alto de sua carreira, já na trajetória acadêmica não é assim, pois uns chegam ao topo muitos anos antes da aposentadoria e outros, mesmo tendo tempo suficiente para se aposentar, continuam trabalhando até a compulsória. Por ter entrado na carreira de professor universitário já com doutorado, em menos de 20 anos já havia chegado a esse topo. Embora eu saiba que não terei mais progressão funcional e que meu salário será o mesmo até a aposentadoria, esses não são motivos para meu desânimo, já que a motivação na carreira acadêmica não decorre só disso. A satisfação pode estar de coisas simples como o despertar de um acadêmico por um tema de pesquisa que irá mudar os planos da vida dele, pode estar na satisfação de ter dado o empurrãozinho para que ele percebesse isso, pode estar no brilho dos olhos do estudante ao me ouvir dizendo: “Sua ideia é boa, vá em frente!”. O professor que identifica o potencial e as paixões desses jovens, pode ajudá-los a encontrar novos caminhos através de uma simples pergunta: “Por que você não busca algo mais desafiador?” 

Me questionando sobre isso, me candidatei a… não, não foi a nenhum cargo político, mas a um segundo pós-doutorado e tive a felicidade de ser contemplado com uma bolsa!

Lembram do Lulu Santos cantando “…viver a vida sobre as ondas, vou ser artista de cinema, o meu destino é ser star”? (De Repente Califórnia). Então, eu não tenho as mesmas ambições dele, mas em agosto também irei para a Califórnia, passar um ano na Universidade da Califórnia, em Santa Bárbara. Pretendo pesquisar temas relacionados a sustentabilidade, estabelecer convênios e buscar meios para que meus orientandos possam passar um tempo por lá, assim como os professores e acadêmicos de lá venham conhecer o que estamos fazendo por aqui.

E pela primeira vez na vida (sempre tem uma primeira vez) estarei sozinho numa cidade em que não conheço uma única pessoa. Lá não serei o Prof. Felipe, mas um estrangeiro vindo de um país subdesenvolvido. Buscarei um lugar próximo a Universidade para morar e me deslocarei de bicicleta, voltando ao estilo “vida de estudante”.

Neste período que antecede a viagem, ora estou empolgado, ora surgem questionamentos… “Será que valerá mesmo a pena?”, “Como será passar tanto tempo longe da família e dos amigos?”, “Será que estou preparado para conviver com esse afastamento?”.

Minha mãe, com seus 87 anos, me disse: “Eu vou me cuidar, para estar aqui quando voltares” e lembrou que nos anos 90, quando estávamos na Alemanha para o doutorado, a comunicação era feita através de uma carta mensal e nos anos 2000 no pós-doc em Boston, falávamos uma vez na semana, aos domingos. Dessa vez espero poder falar com meus familiares quase todos os dias. Hoje em dia, estar “separado” não é mais estar “longe”.

Pretendo vir visitar minha família, mas também espero que tanto eles como meus amigos me visitem. Sei também que o tempo voa e que talvez nem sintam tanto a minha falta e, não mais do que de repente, mas quando menos eles esperarem, estarei aqui, mas… e como será na volta? Aí lembro mais uma vez do Lulu: “Eu vejo a vida melhor no futuro…” So, let’s go ahead!

De repente Califórnia – https://www.youtube.com/watch?v=nL0tvojv1p4

Tempos Modernos – https://www.youtube.com/watch?v=itS3sjWCAnc

(*) Luis Felipe Nascimento é Professor na Escola de Administração da UFRGS

Contato: nascimentolf@gmail.com

2 thoughts on “Pessoal, eu vou para a Califórnia!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *