21Jan
Coluna Dominical

Inovação na Igreja: Confissões pela Internet

(Divulgação não autorizada pelo Vaticano e de inteira (ir)responsabilidade do autor)
– 22 de janeiro de 2017
Luis Felipe Nascimento (*)
Talvez você nunca tenha entrado num confessionário. Sabes o que é isto? É aquele armário de madeira que tem nas igrejas, onde o padre ouve as confissões de quem quer contar os seus pecados. O confessionário tem janelas laterais, com uma grade de madeira, que não permite identificar claramente quem está do outro lado. Se você deseja se confessar, precisa ir até uma igreja, saber o horário que o padre está atendendo, ajoelhar-se no confessionário e aguardar o padre abrir a janelinha. Depois conte tudo para ele e receberá a penitência (pena equivalente aos seus pecados). Vamos combinar, é muita mão, não é?
Para facilitar este processo, está em teste o aplicativo “Eu te perdoo”, que permite a pessoa fazer sua confissão pela internet. Espera-se assim aumentar o número de confissões, que está caindo em desuso. Mas não se trata apenas de mudar o “modus operandi”, com a nova tecnologia, o padre deixa de ser aquele que apenas escuta os pecados e depois passa a penitência. A confissão pela internet permite muito mais interação. O processo começa com pecador fazendo um cadastro, onde ele informa o seu WhatsApp, endereço no Facebook e demais redes sociais que acessa, para então agendar o horário da confissão. De posse destas informações, especialistas do CPD (Cadastro de Pecadores Declarados) montam o perfil do pecador e passam para o padre.
Chegada a hora da confissão, o pecador acessa o aplicativo e uma mensagem surge na tela: “Por motivo de segurança, esta confissão poderá ser gravada. Faremos algumas perguntas para confirmar o seu perfil”. Então o pecador terá que clicar na alternativa correta: “Suas últimas férias foram em: ( ) Tramandaí, ( ) Rio de Janeiro ou ( ) Nova Iorque”; “Um acontecimento marcante no seu último ano foi: ( ) festa na casa da Marcinha, ( ) casamento do Pedrão, ou ( ) viagem com os amigos?”; “Em quais destas fotos você aparece?”. Se as respostas forem corretas, então a conexão será transferida para o padre ouvir a confissão. O pecador terá até dois minutos para fazer a confissão. Um reloginho no canto na tela informará o tempo gasto e, faltando 30 segundos, o reloginho irá pulsar. Quando abre a janelinha do confessionário começa a contar o tempo. Vencidos os procedimentos preliminares, o primeiro pecador inicia sua confissão:
– “Padre, eu sou um político que teve uma verba não declarada na contabilidade oficial da minha última campanha”
– “Você é um corrupto, é o que está querendo me dizer?”
– “Bem, isto é como dizem hoje, antigamente estas verbas eram socialmente aceitas!”
– “Socialmente aceitas? Você está na lista da Lavajato, já é réu em três processos… Você está realmente arrependido?”
– “Padre, estou aqui pedindo o seu perdão!”
Terminado o tempo, fecha-se a janela e surge uma informação na tela: “Sua penitência será enviada para o e-mail registrado”. Em caso de dúvidas, entre em contato com o nosso SAC (Serviço de Atendimento aos Cristãos). No caso do político corrupto, a penitência do padre foi:
– “Devolva a grana da corrupção para os cofres públicos e volte aqui dentro de 30 dias”.
O político, acostumado a recorrer ao Supremo, recorreu ao SAC com a seguinte mensagem:
– “Pô Seu Padre, eu confessei de coração aberto e o Senhor me trata deste jeito?” Pensei que iria me mandar rezar umas Ave Marias e uns Pai Nossos! O Senhor quer que eu devolva uma grana que eu não tenho mais?”
Resposta do SAC: “Sua mensagem será analisada, no prazo de 30 dias lhe daremos uma resposta”
Confirmados os dados do segundo pecador, inicia-se a confissão:
– Padre, eu ainda não pequei, mas estou pensando em fazer isto?
– O quê? Um pecado premeditado?
– Calma Padre, eu disse que estou pensando em trair a minha mulher, mas antes disto, quero saber qual será a penitência, caso isto venha a acontecer!
– Humm… já sei, só pode ser com aquela periguete que aparece ao seu lado nas fotos no Face?
– Como que o Senhor adivinhou?
– Ora, só a tua mulher não viu ainda que ali tá rolando um clima!
– E aí Padre, qual é a penitência?
– Não vou falar em penitência, mas vou te dar um conselho. Antes de trair, imagine que seis meses depois você vai estar sentado na frente do juiz, e do outro lado da mesa estará a sua mulher com um advogado, os dois querendo arrancar até as suas cuecas. A pensão solicitada será maior do que o seu salário.
– Pô Padre, isto é broxante!
– Feito! Pecado evitado. Next please!
O serviço de confissões via internet ainda está em teste. Se der certo, outros serviços já estão programados, como o “Jesus me salva”, que é um número de telefone para chamadas 24 horas, destinado a pecadores que estão propensos a cometer um pecado, ou que recém cometeram e se arrependeram. São os novos tempos brother, é a tecnologia a serviço da fé!
(*) Luis Felipe Nascimento é Professor na Escola de Administração da UFRGS.
Contato: nascimentolf@gmail.com

One thought on “Inovação na Igreja: Confissões pela Internet

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *