Cria Cuervos – Luisfelipenascimento
05Aug
Coluna Dominical

Cria Cuervos

– 5 de Agosto de 2018

Luis Felipe Nascimento (*)

Imagine uma família que, para conseguir equilibrar seu orçamento, resolve congelar seus gastos pelos próximos 20 anos, e na rubrica “despesas com educação do filho”, reservou a quantia que vinha gastando com o bebê. Passados dois anos, a situação financeira da família continuava difícil, mas se fez necessário trocar os pneus do carro. Como não tinham recursos para essa despesa extra, os pais resolveram cortar 11% em todas as rubricas, o corte atingiu inclusive a verba da “educação do filho”, que já estaria em idade de ir para uma creche. Bem, esta história pode lhe parecer absurda, pois imaginem congelar recursos sabendo que as despesas com a educação do bebê serão crescentes, ainda mais retirar recursos da educação dele para trocar os pneus do carro?!

No entanto, esta história se assemelha muito com o que está ocorrendo no Brasil de hoje. Em 2016, após um banquete oferecido por Temer, 366 deputados alteraram a Constituição e aprovaram a chamada PEC 241 que congelou as despesas com saúde e educação. Assim, ficou definido que todas as despesas públicas seriam corrigidas apenas pela inflação. Mas, esta semana tivemos uma “surpresinha”, pois na última quinta-feira o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão revelou que no Orçamento da União de 2019 pretende cortar as despesas não obrigatórias do Ministério da Educação em cerca de 11% do valor do executado em 2018. Ou seja, nem o congelamento seria cumprido! O assunto tomou repercussão porque a CAPES, que é uma agência do Ministério de Educação, lançou uma nota pedindo a preservação da verba prevista na lei orçamentária, antecipando-se a um possível corte de Temer no momento da sanção.

Segundo a CAPES, este corte implicaria na descontinuidade de 105 mil bolsas em programas como o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid), do Programa de Residência Pedagógica e do Programa de Formação de Professores da Educação Básica (Parfor). Este corte poderia interromper também o funcionamento do sistema Universidade Aberta Brasil (UAB) e dos mestrados profissionais do ProEB (programa de mestrado voltado para professores das escolas públicas), afetando mais de 245 mil beneficiados. Além disto, haveria corte de 93 mil bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado.( https://g1.globo.com/educacao/noticia/2018/08/02/quase-200-mil-podem-ficar-sem-bolsa-se-orcamento-de-2019-sofrer-corte-diz-conselho-da-capes.ghtml )

Considerando que a maioria das pesquisas no Brasil são realizadas nos programas de pós-graduação, cortar as bolsas significaria dispensar os pesquisadores para buscarem outras atividades ou encaminhá-los para instituições de pesquisa no exterior. Interromper uma pesquisa equivale a um tropeço numa corrida de 100 metros, que não se recupera mais e serão precisos longos anos para voltar ao patamar já alcançado.

Mas que pesquisas são estas? Qual o valor destas bolsas? Não seria mais barato comprar os pacotes tecnológicos no exterior? Será que nesta época de crise vale a pena investir em pesquisa? Para quem não é do mundo acadêmico e não está familiarizado com estas informações, cabe informar que uma bolsa de mestrado tem o valor de um mil e quinhentos e a de doutorado o valor de dois mil e duzentos reais, sendo que o último reajuste ocorreu em 2013. Estes jovens e seus orientadores já realizaram pesquisas com grande impacto social e econômico. Vale lembrar que a produção de soja no Rio Grande do Sul só foi possível graças as pesquisas acadêmicas que conseguiram adaptar a soja ao solo do RS e torná-la um dos principais produtos do Estado. O pré-sal foi descoberto graças as pesquisas de engenheiros, físicos e geólogos, qualificados nos programas de pós-graduação. Pesquisas sobre o combate ao vírus da Zika e da Dengue seriam afetadas. Das questões de saúde à segurança, tudo exige investimento em ciência e tecnologia. Mesmo sabendo disto, o Brasil investe menos de 1% do PIB em ciência e tecnologia, enquanto os países europeus vão além dos 3%. O Presidente Trump tentou reduzir as verbas para ciência e tecnologia e foi derrotado pelos dois partidos, Republicanos e Democratas.

O corte das bolsas para pesquisa afeta também as empresas que desenvolvem pesquisas como a Embraer e Embrapa. São os cursos de pós-graduação que formam os especialistas para desenvolver as soluções para os problemas sociais e os produtos com alta tecnologia. Cortar bolsas e verbas para este setor é um absurdo tão grande quanto retirar os recursos da educação de um filho e comprometer o seu futuro.

Na sexta, dia 3 agosto 2018, depois de muitas pressões, o Presidente Temer disse que não irá cortar as verbas das bolsas. Como pesquisador e educador, vejo a necessidade de uma melhor comunicação dos pesquisadores com a sociedade, bem como uma maior aproximação das universidades com as escolas. Temos muito a melhorar. Mas, neste momento quero convidar os queridos leitores a refletirmos sobre estas questões e que, na hora de dar o seu voto na próxima eleição, tenham consciência de que vocês estão escolhendo quem irá aprovar o orçamento da saúde e da educação para os próximos quatro anos. A expressão em espanhol “Cria cuervos y te sacarán los ojos” se refere a ingratidão, a trair a confiança que lhe é depositada. Não alimente com seu voto políticos que irão roubar o futuro dos seus filhos. 

(*) Luis Felipe Nascimento é Professor na Escola de Administração da UFRGS

Contato: nascimentolf@gmail.com

2 thoughts on “Cria Cuervos

  1. Vanessa Aires Reply

    No Brasil sempre se investiu pouco em pesquisa, não podemos regredir ainda mais. Concordo que é preciso que a sociedade saiba mais sobre pesquisas em nosso país e que as universidades devem se aproximar das escolas. Inclusive dentro de algumas universidades somos pouco estimulados a pesquisa. De alguma forma isso vai de encontro aos questionamentos que fiz em um e-mail antes de ler este artigo.

  2. paxuca Reply

    Estamos juntos na luta camarada! Uma luta sem tréguas, da inteligência pacificadora dos sábios contra a força bruta repressora deste nosso Estado nacional. Principal atenção ao voto para os congressistas e senadores, porque o presidente é “boi de piranha”!
    Já vencemos outras batalhas. Buscaremos a vitória neste pleito, também. O alcance da vontade do povo é inimaginável e imprevisível. #vivaarevolução
    #socialismoja
    #ufrgsadmpublicaesocial

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *