11Jul
Coluna Dominical

Biomimética – Temos muito a aprender com a Natureza

– 10 de julho de 2016

Luis Felipe Nascimento (*)

Acabei de sair de um curso sobre Biomimética e fiquei impressionado com muitas coisas que aprendi. Você sabe o que é Biomimética? Eu explico! Para entender a Biomimética é necessário conhecer a história da vida no Planeta Terra, e nós fizemos isto caminhando.

Estima-se que o Planeta Terra tenha 4,5 bilhões de anos de vida. Estendemos este período de tempo ao longo de uma estrada e fizemos uma caminhada de 4,5 km, sendo que cada metro caminhado equivalia a 1 milhão de anos. Nos primeiros 700 metros, digo, nos primeiros 700 milhões de anos, nada aconteceu. A vida surgiu há 3,8 bilhões de anos, mas a a primeira estrutura unicelular foi surgir há 3,5 bilhões de anos. Caminhamos mais um quilômetro até chegarmos ao surgimento da primeira estrutura pluricelular, há 2,5 bilhões de anos. Depois mais uma longa caminhada quando atravessamos o período Proterozoico, e quando faltavam apenas 450 metros para chegarmos ao destino (dias de hoje), chegamos na era dos peixes (há 450 milhões de anos). Os dinossauros surgiram há 235 milhões e desapareceram há 65 milhões de anos. Caminhamos mais um tanto e, quando estávamos há poucos centímetros do final da caminhada de 4,5 quilômetros, paramos para ver o surgimento do homo-sapiens, há 150 mil anos. Foi necessário pegar um régua de 30 cm para saber quando ocorreu o final da era do gelo (13.000) e o surgimento da agricultura há 10 mil anos. Para descobrir quando ocorreu a revolução industrial, tivemos que recorrer a um paquímetro, pois estávamos observando milímetros. Como sabemos, foi depois da revolução industrial que o homem começou a poluir e causar danos significativos ao Planeta. Tudo isto ocorreu nos milímetros finais de uma distância de 4,5 quilômetros.

Os especialistas dizem que atualmente o Planeta Terra possui 30 milhões de espécies. Estas foram as que sobreviveram as cinco extinções em massa que já ocorreram. Na última extinção, quando caiu um meteoro no golfo do México, foram extintos os dinossauros e mais 75% das espécies da época. Mas a vida cria condições que conduzem a mais vida.  Depois desta extinção houve uma explosão de vida até chegarmos nos dias de hoje. Percebemos que para o Planeta Terra se livrar do homem e outros de milhões de espécies não será o “fim do mundo”, pois a Terra já fez isto cinco vêzes!

Ao longo da história da vida, os organismos foram sendo aprimorados. O homem desenvolveu rapidamente o seu cérebro e ultimamente passou a subestimar as outras espécies, que são mais antigas e também possuem conhecimento. Fiquei impressionado ao saber que a abelha que encontra alimentos, quando volta para a colméia, informa as demais pela forma como ela voa. Pela direção, inclinação e pelas ondas que ela faz no voo, informa para que lado está, a distância e a qualidade do alimento que ela encontrou.

Enquanto na biologia aprendemos “sobre” a natureza, na biomimética aprendemos “com” a natureza. A biomimética tem como elementos essenciais a “ética” – respeito e gratidão às demais espécies; a “re-conexão”com a natureza e o terceiro elemento é a “capacidade de emulação”- de imitar os métodos que as demais espécies utilizam para resolver seus problemas.

O homem utiliza substâncias tóxicas nos processos industriais, e quando se contamina com elas, permanece com estas substâncias para o resto da vida no seu organismo, causando doenças como Alzheimer e Parkinson. Eu nunca havia pensado como que a cobra envenena o rato e depois o devora, sem se envenenar com o seu próprio veneno. Isto ocorre porque o veneno que mata o rato, em poucos segundos se decompõe em substâncias inertes. Ou seja, a cobra é mais esperta do que nós.

Quando vamos construir alguma coisa, tomamos uma quantidade de matéria-prima maior do que precisamos e vamos retirando partes dela. Prova disto é que as ferramentas mais vendidas são furadeiras, serras, lixadeiras, etc. Ao contrário de nós, a natureza não retira material, ela adiciona. O bebê recém nascido não é esculpido de um bloco de carne! Ele nasce pequenino e vai crescendo, vai lhe sendo adicionando mais matéria. O mesmo acontece com os demais seres vivos. Talvez a impressora 3D seja uma das primeiras experiências desenvolvidas pelo homem que vai construir adicionando matéria, como faz a natureza.

Por fim, aprendi que a vida é feita de competições e cooperações, mas que na grande maioria dos casos, prevalence a cooperação. No nosso corpo são 100 trilhões de células e 10 sistemas cooperando para fazer o corpo funcionar.

A flor de lótus é sempre branca e limpa, embora viva no meio do lodo. Como pode? Para “se limpar” dos respingos de lama nas chuvas, ela possui uma superfície lisa que não permite a aderência de água. A água que cai sobre ela, lava suas folhas e é jogada para fora, pois o seu caule flexível faz um movimento para jogar a água para fora das suas folhas. Observando a flor de lótus foi desenvolvida uma tinta que aumenta em 50% a vida útil dos revestimentos. Paredes externas de prédios são lavadas com a água das chuvas.

Enfim, precisamos rever a concepção de que a natureza existe para nos servir. O que não nos parece útil, queremos matar ou destruir. Útil é um conceito humano. Para a natureza, tudo é útil para alguma coisa. A espécie humana é o bebê dos habitantes desta casa. As demais espécies sobreviveram por milhares ou milhões de anos e aprimoraram seus sistemas. Precisamos aprender mais com a natureza para nos tornarmos menos arrogantes.

Obs: Conteúdos discutido no curso ministrado por Ricardo Mastroti sobre Biomimética oferecido pela Web of Life Brasil  no Rincão Gaia entre 8 e 10 julho 2016.

(*) Luis Felipe Nascimento é Professor na Escola de Administração da UFRGS

Contato: nascimentolf@gmail.com

2 thoughts on “Biomimética – Temos muito a aprender com a Natureza

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *