June 2018 – Luisfelipenascimento

Archives post

24Jun
Coluna Dominical

Somos vítimas das circunstâncias?

  • – 24 de junho de 2018

Luis Felipe Nascimento (*)

Sabemos que somos resultado do encontro de um espermatozoide com um óvulo e que numa ejaculação humana são liberados de 200 a 500 milhões deles, mas apenas um único fecundará o óvulo. Os espermatozoides são como mísseis que carregam cargas genéticas diferentes. Um deles carregava uma determinada bagagem genética que resultou em mim e por isso eu existo, mas se um outro tivesse fecundado, resultaria na vida de um irmão meu. E aí ficam os questionamentos: Eu existo porque o espermatozoide com cromossomo Y que “me” carregava foi o vencedor? Ou “eu” já estava nos planos de alguma força superior? Afinal, por que a minha vida foi gerada?

Esta história fica ainda mais difícil de entender se considerarmos a dimensão geográfica, o local onde ocorre uma fecundação. Imagine uma fecundação que tenha ocorrido no útero de uma mãe que vive numa região paupérrima na África. As chances de sobrevivência desta criança e as suas perspectivas na vida certamente seriam muito diferentes das que desfrutam os nossos filhos.

Agora considere a dimensão tempo, o momento em que ocorreu esta fecundação. Imagine um casal de alemães de classe média alta que teve um filho em 1995. Aos 19 anos, provavelmente este menino já estaria na universidade e talvez tivesse vindo ao Brasil em 2014 ver a Alemanha ser campeã mundial de futebol. Provavelmente ele está tendo as mesmas oportunidades dos milhões de jovens alemães que vivem numa Alemanha rica e que oferece boa qualidade de vida à sua população. Mas, se esta mesma família tivesse vivido na primeira metade do século XX, e tivesse tido este garoto em 1920, com 19 anos ele estaria indo para a guerra e provavelmente teria o mesmo destino dos milhões de jovens daquela geração, morrer na guerra.

Na canção “Toda Forma de Amor”, Lulu Santos diz: “Eu não pedi pra nascer. Eu não nasci pra perder. Nem vou sobrar de vítima das circunstâncias…”. Eu me questiono: será mesmo que não somos vítimas das circunstâncias? Por que a carga genética, o local ou a época em que ocorreu esta fecundação influenciam tanto na vida que foi gerada? Por que isto acontece? Resolvi fazer esta pergunta para quatro pessoas inteligentes com diferentes perspectivas. Relato a seguir as manifestações delas sobre “por que isto acontece?”

– Opinião do Católico: – A fecundação e a vida são mistérios que desconhecemos e, portanto, só nos resta admirá-los e tornar esta vida a melhor possível. Tudo é fruto de criação de Deus e ele quer a nossa felicidade.

– Depoimento do Ateu: – Sim, somos vítimas das circunstâncias! Todas estas questões são o resultado de probabilidades, mero acasos. Como existem muito mais óvulos sendo fecundados em úteros de mães pobres, é provável que o próximo óvulo a ser fecundado seja de uma mãe pobre.

– Visão do Espírita: – Nós não pedimos para nascer, nós imploramos! Quando estamos apenas espíritos, sabemos da necessidade de voltar ao corpo, então planejamos nossa reencarnação (características genéticas, local, família, dificuldades a enfrentar, etc.) para cumprir as provas necessárias para nossa evolução. Portanto, nada é obra do acaso ou coincidência, tudo faz parte de um planejamento evolutivo.

– Perspectiva antroposófica: – Sim, pedimos para nascer. A geração de uma vida é algo magnífico e perfeito. Desde o encontro do óvulo com o espermatozoide, as divisões celulares, a formação dos órgãos, tecidos e o desenvolvimento deste ser, tudo é divino. Não há como não pensar este processo está ligado a algo superior, espiritual, uma obra de algum deus.

E você, já havia refletido sobre isto? Na sua opinião, entre milhões de possibilidades, você foi o bilhete premiado, pelo fato do espermatozoide que carregava o seu genoma ter sido o que fecundou o óvulo, ou isto já estava nos planos de alguma força superior? Ou você teria alguma outra explicação de por que a sua vida foi gerada?

(*) Luis Felipe Nascimento é Professor na Escola de Administração da UFRGS.

Contato: nascimentolf@gmail.com

17Jun
Coluna Dominical

Onze homens e uma Paixão

17 de junho de 2018 Luis Felipe Nascimento (*) Onze homens e uma Paixão conta como o futebol se tornou o esporte mais popular do mundo e diz que, a cada dia, está mais difícil de continuar apaixonado...

17Jun
Coluna Dominical

As tiranias do Tempo I: Eu quero uma casa no Campo

-17 de junho de 2018 Isabel Cristina de Moura Carvalho (*) Porque sofremos com o tempo? Não o passar do tempo, que é da inelutável condição humana, mas o arrastão do tempo que leva nossas horas sem...